terça-feira, 30 de agosto de 2011

Dirigindo ao contrário - de carro no Reino Unido

Agora entre julho e agosto, fizemos um passeio ótimo pela Grã-Bretanha. Depois de alguns dias em Londres, alugamos um carro e pegamos a estrada. Não tínhamos hotéis reservados, nem planejamento de tempo em cada lugar. Simplesmente um itinerário básico, que faríamos até onde desse tempo.
Subimos pela costa leste da ilha, até Inverness, na Escócia, e voltamos pela costa oeste, com direito até ao País de Gales. Fizemos um atalho pelo sul, para ir a Salisbury, antes de voltar a Heathrow. Foi muito bom! Andamos 3.037 milhas (quase 5 mil quilômetros) e conhecemos cidades encantadoras e atrações interessantes, estradas formidáveis e pequenos caminhos no interior. Foram bons momentos em família. Rimos muito mas brigamos de vez em quando... Também fomos a lugares sem graça e descobrimos que os guias exageram em algumas de suas descrições. Fugimos dos roteiros turísticos convencionais e descobrimos Bed and Breakfasts e pubs bacanas. Valeu!

Eden Camp
Bamburgh
Fort George
Stirling Castle
Chester 
Gales
Warwick Castle
Blenheim Palace
Itinerário completo:
Colchester, Lavenham, Norwich, Cambridge,  Flag Fen Bronze Age Centre (Peterborough), Burghley House, Lincoln, National Coal Mining Museum, Leeds, York, Edem Camp, Harrogate, Ripley, Ripon, Fountais Abbey, Yorkshire Dales, Durham, Beamish Open Air Museum, Hexham, Muralha de Adriano, Bamburgh, Lindisfarne, Jedburgh Abbey, Melrose Abbey, Rosslyn Chapel, Edimburgo, Perth, Dundee, Pitlochry, Royal Deeside,  Cawdor Castle, Inverness, Fort George, Lago Ness, Inverarey Castle, Auchindrain Museum, Lago Awe, Doune Castle, Stirling, Flakirk Wheel, Glasgow, Carlisle, Kendal, Lancaster, Manchester, Liverpool, Conwy, Caernafon, Chester, Ironbridge Gorge, St. Davids, Cardiff, Caerleon, Bristol, Bath, Wells, Shaftersbury, Salisbury, Stonehenge, Warwick, Stratford-upon-Avon, Great Tew, Vale do Cavalo Branco, Oxford, Blenheim Palace, St. Albans e Windsor.

Logo, logo, vou contar das coisas que gostei.

domingo, 28 de agosto de 2011

Fado Tropical

A intenção de escrever um pequenino post sobre Lisboa e Portugal me trouxe à cabeça a maravilhosa música de Chico Buarque e Ruy Guerra Fado Tropical. E assim este post antecipou-se àquele.

Ó musa do meu fado, ó minha gentil,
te deixo consternado no primeiro abril
Mas não seja tão ingrata, não esquece quem te amou
e em tua densa mata se perdeu e se encontrou
Ai esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal...

- Sabe, no fundo eu sou um sentimental
Todos nós herdamos do sangue lusitano
uma boa dosagem de lirismo, além da sífilis, é claro...
Mesmo quando minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar, trucidar,
Meu coração fecha os olhos e sinceramente chora...

Com avencas na caatinga, alecrins no canavial,
licores na moringa, um vinho tropical
e a linda mulata com rendas do Alentejo
de quem, numa bravata, arrebato um beijo
Ai esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal...

- Meu coração tem um sereno jeito
e as minhas mãos o golpe duro e presto
de tal maneira que, depois de feito,
desencontrado, eu mesmo me contesto
e se trago as mãos distantes do meu peito
é que há distância entre intenção e gesto
e se o meu coração nas mãos estreito
me assombra a súbita impressão de incesto
Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadura à proa
mas o meu peito se desabotoa
e, se a sentença se anuncia bruta,
mais que depressa a mão, cega, executa
pois que senão o coração perdoa...

Guitarras e sanfonas, jasmins, coqueiros, fontes
sardinhas, mandioca, num suave azulejo
e o rio Amazonas que corre Trás-os-Montes
e numa pororoca deságua no Tejo

Ai esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal...
Ai esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal...

Fado Tropical - Ouça que lindo!

E como não incluir Chico Buarque nos encantos do mundo? Suas canções são pura poesia!
Pouco a pouco vou incluindo aqui o que mais me encanta...

sábado, 27 de agosto de 2011

A comida britânica que eu gosto

Sempre ouvi falar que a comida na Inglaterra era ruim. 
Sem tempero, sem opções. Sem graça.
Por outro lado, os conselhos eram de procurar os milhares de restaurantes indianos, italianos e outros, que há espalhados por toda a Grã-Bretanha.
Mas nós não curtimos viajar e comer em cadeias internacionais ou estar em Lisboa e jantar no Porcão.
Nossa proposta de viagem inclui conhecer os costumes e sabores do local visitado. Desfrutar...
E foi assim que descobrimos os encantos da culinária britânica.
São dois os pontos altos: o café da manhã tradicional inglês e o cardápio dos pubs.

O English Breakfast é composto de ovos, bacon e linguiça. A isso acrescente-se: feijão, tomates assados, cogumelos, hash brown, black pudding e fried bread. Na Escócia, tem ainda o haggis. Tudo isso vem acompanhado de chá ou café, torradas, manteiga e geleias  E, sim, é uma delícia! Todos e cada um, com exceção, talvez, do feijão...

Traditional English Breakfast
Os ovos em geral são fritos, mas você pode pedir mexidos ou pochê. O bacon não é exatamente igual ao do Brasil. Tem muita carne e pouca gordura. Quase como um presunto... E há os mais variados tipos de linguiça (sausage). Meu preferido é o Cumberland Sausage.
Hash Brown é uma espécie de panquequinha feita de batata ralada e o Fried Bread é uma fatia de pão de forma passada na frigideira onde foram preparados o bacon e a linguiça.
O black pudding leva cebola, temperos, aveia e sangue, geralmente de porco. No Brasil, equivaleria ao chouriço ou morcela. O haggis, delícia escocesa, é um embutido feito com vísceras de ovelha e aveia, bastante condimentado. Quase uma buchada de bode. Mas muito, muito mais gostoso... Gostamos tanto que trouxemos um monte deles enlatados.
Ia esquecendo do mingau de aveia, que é servido sem açúcar ou, pior, com sal...

Vamos agora falar do grande lance que é a comida de pub. 
Na verdade, só o pub já é formidável! 
Um pouco difícil explicar a diferença entre um pub e um bar ou choparia. Mas quando entrar em um pela primeira vez, entenderá imediatamente.
Os nomes são uma graça à parte. A maioria tem arms, golden, red, black, lion, dragonking, three, oak ou masons no nome, e isso gera uma infinidade de combinações.

 
É preciso ter cuidado para não perder a hora do jantar nos pubs. Apesar de ficarem abertos até mais tarde, a cozinha fecha às 21 horas. Em alguns lugares ou certos dias da semana, ainda mais cedo. 
O cardápio não é muito grande, mas tem boas opções de comida tradicional inglesa:


Fish and Chips (feito principalmente com bacalhau fresco ou hadoque) que é o mais popular dos populares. Algumas vezes tem a opção de Scampi and Chips, ou, melhor ainda, Haggis and Chips (só na Escócia).
Minha delícia de estimação é a torta de carne com cerveja: Steak and Ale Pie. Maravilha! Mas há várias opções de tortas: Cottage Pie, Welsh Pie (em Gales, naturalmente), Hunters Pie, Old Esk Pie...
Yorkshire Pudding também é uma delícia. Uma massa que acompanha uma carne, tradicionalmente roastbeef e gravy. Por sinal, que ótimo é o gravy. Um capítulo à parte...
As carnes tradicionais são roastbeef, sirloin, rib-eye steak. Bastante comum o mixed grill, que vem muito e de tudo. Também tem cervo (gammon) e porco. Gosto de pork chop e roasted pork belly. Eu e Tomás comemos no The Glencarse, em Perth, um lombo de porco com black pudding e molho cremoso de bacon defumado que estava de chorar.
Há vários pratos com ovelha, todos saborosos: Mint lamb, Lamb shank, Lamb Pie, Lamb cutlets.
Tradicional na Escócia é o Haggis with Neeps and Tatties, que eu não gosto. Por causa das neeps, que vem a ser um purê de nabo muito do sem graça.
Ainda dá para pedir Black Pudding, Bangers and Mash e Ham, Egg and Chips, mas isso eu deixo para comer no café da manhã mesmo.

File:Traditional.Sunday.Roast-01.jpg
Roastbeef and Yorkshire Pudding
Haggis, Neeps and Taties
Lamb Shank
Steak and Ale Pie
E para beber? Uma infinidade de cervejas: Carling, Carlsberg, Guiness, Master Brew, Marston's Smooth, Beck's, Stella Artois, Erdinger, Ruddles Smoothie, Snowdonia, Reverende James, Waggle Dance, Slaughterhouse, Doombar... Gostei de umas, não gostei de outras. Ótimas cidras (minha bebida preferida), de maçã e de pera:  Gaymers,  Magners, Thatcher's,  Stowford Press, Bulmers, Westons, Strongbow, Stella Artois...

 

Hummmm! Quando penso que acabou, lembro de mais alguma coisa.
Os cookies e os muffins são bons demais! 
Vale experimentar no Thomas the Bakers e no Gregg's, mas também vale na padaria da The Co-operative food e do Tesco.
Blackberries muffins e white chocolate chips cookies são o que há de melhor...
 


Enjoy!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Meus palpites em Londres

Londres é uma cidade bacana e agradável, com pessoas bem educadas. O trânsito não é caótico e o metrô funciona direitinho. Andar no deque superior dos ônibus é ótimo para fazer turismo. Dá para ver tudo  e até tirar fotos. Dizem que o clima é ruim, mas eu sou premiada e sempre peguei sol por lá. Uma chuvinha de vez em quando, nada que atrapalhasse meus planos.

Gostei de quase tudo, com exceção talvez daquele centro badalado entre Picadilly e Oxford Circus.
Grande parte das atrações vale a pena conhecer (muitas são gratuitas), mas aí estão minha favoritas:
Abadia de Westminster
Parlamento
London Tower
London Eye
Museu Britanico
National Gallery
Sherlock Holmes Museum
Portobelo Road, em Nothing Hill
Convent Garden
Tower Bridge
St. Bartholomew the Great
Temple
St Paul Cathedral
London Museum
War Rooms e Churchill Museum
II Imperial War Museum
Science Museum
Greenwich (Museu Marítimo e Observatório)

A hospedagem não é barata, mas há alguns B&B (Bed and Breakfast) na Argyle Street com diária em torno de 100 libras. Nada muito espaçoso, mas alguns até charmosos. E na boca da estação de King's Cross, o que valoriza muito... Ficar em Convent Garden seria ótimo, mas o preço sobe muito. Ficamos na Tavistock Square uma vez (Tavistock Hotel), mas o hotel não valia a pena. A região era bonitinha mas a estação do metrô (Russel Square) é complicada. Fica uma fila enorme para pegar o elevador e são 170 degraus de escada. Mas fica lá o ótimo restaurante Cagney's.

Por falar em restaurante, vou escrever um post só sobre "cozinha britânica", mas deixo minhas indicações de pubs e restaurante em Londres aqui:
Walkers of Whitehall - 15 Craig's Court (Whitehall)
Freemasons Arms - 81 Long Acre (Convent Garden)
Cagney's Restaurant - 13 Cosmo Place
Como opção, tem comida indiana pela cidade inteira, com bons preços. Eu, particularmente, não curto.

Bem gostoso também é comprar uns queijinhos na Neal's Yard Dairy, em Convent Garden. Eu adoro o Cheddar Montgomery e o Westcombe, mas é tudo uma delícia.

Uma coisa fundamental em Londres, para quem vai usar transporte público, é o Oyster Card. Pode ser usado em todos os meios de transporte, inclusive barcos no Tâmisa. Dá desconto no preço dos bilhetes, além de ser muito mais prático. Custa só 3 libras e é recarregável.
A propósito de transporte público, dá para ir de metrô do aeroporto para a cidade. A linha que passa no aeroporto também passa na estação de King's Cross, onde se pode trocar para quase todas as linhas da cidade. É muito tranquilo, todos os londrinos usam e demora uns 50 minutos.


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

De volta a Brasília

Então, de volta a Brasília. Felizmente, por pouco tempo.
Não que a cidade não me agrade. Pelo contrário! Gosto muito de morar aqui.
Mas férias é outra coisa, né? Viajar é bom demais...

A viagem para o Reino Unido foi ótima. Belas paisagens e lugares interessantes. Muitas fotos.
Vou postar sobre o Reino Unido e também sobre Londres. Minhas dicas da viagem, lugares, hotéis... mas preciso de um pouquinho de tempo.
Só que não posso demorar muito porque em duas semanas viajo de novo. Oba!

Em Brasília, encontrei a seca a mil.
Os ipês amarelos começando a florescer. Também os brancos da via de ligação entre a L2 Norte e a L2-Sul. Mas ainda sem esplendor... O céu não está mais bonito, cheio de névoa seca e poeira... E as ávores estão peladas, o chão cheio de folhas. Poderia parecer outono, mas faz calor demais para isso...