domingo, 20 de dezembro de 2015

Pernil assado com ervas e acompanhamento de farofa crocante

O pernil é uma das carnes mais apreciadas nas festas de fim de ano, ao lado do peru e do tender. Não é nada complicado de fazer, mas é bom tomar cuidado para que fique bem temperado e para que não resseque.


Segue a receita para um pernil de mais ou menos 3 kg. Costumo usá-lo desossado, para facilitar.

Bata no liquidificador:

1 xícara de vinho tinto
2 ramos de alecrim fresco
1 colher de sálvia
1 colher de tomilho
1 colher de segurelha
6 dentes de alho
1 cebola grande
sal a gosto

Em uma bacia, coloque o pernil, o tempero batido e mais 1 ramo de alecrim e misture bem. Cubra a bacia com filme plástico e deixe na geladeira por 24 horas, virando de vez em quando. Isso vai fazer com que a carne pegue bastante tempero e fique muito saborosa.
Em uma assadeira, coloque o pernil, regue com o tempero e cubra com papel alumínio. Asse em forno baixo até ficar bem macio. Tire o papel alumínio e deixe dourar.

Para a farofa:

500 g de farinha de mandioca torrada
2 cebolas fatiadas bem fininho
1 colher de azeite
2 colheres de manteiga ou margarina
sal a gosto

Torre a farinha em uma frigideira, mexendo sempre para não deixar queimar.
Em uma panela, coloque o azeite, a manteiga e as cebolas e deixe fritar bem. Acrescente a farinha e mexa por alguns minutos, até ficar bem sequinha.

Outras receitas de Natal:

Salada de frango defumado
Bolo da fortuna
Peru (ou Chester)
Salada de banana
Tender Natalino

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Escandinávia: Helsinque


Ao longo de sua história, a Finlândia sofreu forte influência da Suécia e da Rússia, a cujo império esteve anexada entre 1809 e 1917. O sueco é a segunda língua oficial do país e a arquitetura de Helsinque tem muitas influências das construções de São Petersburgo, capital da Rússia na época.


A Catedral de Uspenski é o maior templo ortodoxo da Europa Ocidental e chama atenção por suas cúpulas douradas e pela fachada de tijolos vermelhos.


A branca catedral luterana Tuomiokirkko é considerada o símbolo da cidade, conhecida como cidade branca do Norte. Fica na principal praça da cidade, a Praça do Senado (Senaatintori). Lá estão, também, a Universidade, o Senado e a estátua em homenagem ao imperador Alexander II.


Outra igreja interessante é a igreja na pedra (Temppeliaukio), cavada na rocha e com cúpula em espiral com fios de cobre.


Para bater perna nos dias de sol, os lugares mais interessantes são a Esplanada, o Parque Sibelius, com o curioso monumento ao compositor, e a Ilha Suomenlinna, tombada pela Unesco.


Nesta ilha, que fica a poucos minutos da costa, os suecos iniciaram a construção de uma fortaleza em 1748. Atualmente o espaço abriga museus e galerias. Os barcos municipais saem de frente ao mercado do porto (Kauppatori), que é também um bom lugar para passear e experimentar os peixes e frutos do mar no almoço. Em suas barraquinhas, além de comida, há artesanato e souvenires.


Helsinque não se destaca pelos museus, mas os admiradores do arquiteto e designer Alvar Aalto vão curtir muito a visita guiada à Aalto House. Se tiver tempo, também vale visitar o museu Ateneum, que abriga a maior coleção de arte da Finlândia e apresenta mostras temporárias bem interessantes.


Para comer?

Zetor - Restaurante com decoração que remete às fazendas antigas, serve comida tradicional. O bife à tratorista é muito bom e a porção, gigante. Tem cardápio em vários idiomas, inclusive português. À noite, a movimentação em sua pista de dança é um espetáculo à parte.


Peninsula 1899 - Bom local para apreciar o "hot pot" ou fondue chinês, com direito a vários frutos do mar diferentes.


Leonardo Bar i Ristorante - O velho e bom italiano que é a salvação na hora do aperto. Comemos risoto de frutos do mar.


Para beber? Sou mega suspeita, porque aaaaaaaaaaaaamo sidra. Que não seja Cereser, é claro. Na Finlândia, ela é vendida em toda parte, da mesma forma que na Inglaterra, na França e no Canadá. Me esbaldei.


Veja aqui mais fotos de Helsinque.

Leia mais sobre a Escandinávia:

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Croque Monsieur

O Croque-Monsieur é um tradicionalíssimo sanduíche francês, encontrado em todos os bistrôs. Funciona bem no café da manhã, no lanche e mesmo no almoço, acompanhado de salada.
Super fácil de fazer, fica uma delícia - como tudo que tem um queijinho gratinado.


16 fatias de pão de forma sem casca 
2 xícaras de leite
2 colheres de maisena
1 colher de manteiga (eu dispenso, para emagrecer a receita)
2 ovos
1 lata de creme de leite
Sal e noz-moscada a gosto
Presunto cozido em fatias
Queijo gruyère ou ementhal ralado grosso

Em uma panela, faça um molho branco básico com o leite, a maisena e a manteiga, se for usá-la. É só misturar os ingredientes e cozinhar, mexendo, até engrossar. Deixe esfriar e misture os ovos batidos e o creme de leite. Tempere com sal e noz-moscada.
Em uma assadeira, coloque 8 fatias de pão de forma. Espalhe metade do creme por cima de cada uma delas, até que fiquem úmidas. Por cima, disponha as fatias de presunto e, depois, bastante queijo ralado (dependendo do tipo de queijo, coloco em fatias mesmo). Cubra o pão restante e, por cima, espalhe a outra metade do creme.
Polvilhe com o queijo ralado e leve ao forno pré-aquecido até que fique dourado.

Na ausência do queijo gruyère ou ementhal, use gouda ou queijo prato ou minas padrão ou mussarela ou parmesão...

Outras ideias para lanche:
Brioche

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Salada cremosa

Nesses dias de calor, não são muitas comidas que apetecem. É a época em que as saladas entram com tudo, saudáveis e refrescantes. Esta aí de baixo fica muito saborosa, com a associação de sabores do kani com a maçã.


1 pé de alface crespa
10 cebolinhas em conserva
50g de champignon em conserva
100g de kani kama desfiado
1 maçã picada
1 cenoura ralada
2 colheres de maionese light
1 colher (chá) de mostarda
Sal, pimenta e salsinha a gosto

Lave as folhas de alface e seque bem.
Misture os demais ingredientes e arrume numa saladeira, sobre as folhas de alface.

Mais ideias de salada?

Salada de alface com banana

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Suco de caju, laranja e abacaxi (Nostro Suco)

Um dos sucos mais famosos do Marietta, com as medidas certinhas para fazer em casa.


Bata com o mixer ou no liqudificador:

1 copo e meio de suco de laranja
2 copos de suco de caju
1 copo de suco de abacaxi

Sirva bem gelado e aproveite. É uma delícia!

sábado, 28 de novembro de 2015

Sanduíche: Salaminho com ovos

De repente me deu uma saudade dos sanduíches do Marietta! Uma delícia com a cara dos anos 80.
Os meus preferidos eram salaminho com ovos e ricota com cenoura. Enchi a boca de água e resolvi experimentar fazer em casa.
Eu não tinha salaminho em casa, então preparei com delicioso lombo defumado. Ficou muito bom também, mas vou passar a receita com salaminho, que é a original...


4 ovos cozidos
3 colheres de maionese
1 colher de mostarda
Sal e pimenta-do-reino a gosto
Cebolinha picada
200g de salaminho fatiado bem fino
Pão de forma gigante integral

Cozinhe os ovos em água fervente e deixe esfriar.
Tire as cascas do pão de forma. Você usará 3 fatias de pão para cada sanduíche. Se não achar o pão de forma gigante, faça com pão tamanho normal mesmo.
Descasque os ovos e corte em cubinhos bem pequenos. Junte a maionese e a mostarda e misture bem. Tempere com sal e pimenta do reino e adicione a cebolinha picada.
Sobre uma fatia de pão, espalhe uma porção da pasta de ovos. Cubra com outra fatia de pão, disponha as fatias de salaminho e tampe com a terceira fatia de pão. Parta o sanduíche ao meio para que fiquem dois triângulos. Caso use o pão de forma tamanho normal, não é necessário partir o sanduíche.

Para acompanhar, que tal o Nostro Suco? É um espetáculo! Essa mistura de laranja, caju e abacaxi (veja aqui as medidas) é um dos sucessos da casa.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Bolo com cobertura de paçoquinha

Quer dar um charme no bolo de todo dia? Experimente esta cobertura de paçoquinha...

Misture, numa panela, 1 colher de margarina, 1 lata de leite condensado e 6 paçoquinhas esfareladas. Legue ao fogo, mexendo sempre, até começar a desgrudar da panela. Apague o fogo e misture uma caixinha de creme de leite. Deixe esfriar e coloque sobre o bolo. Esfarele mais 2 paçoquinhas e espalhe por cima. Esta cobertura fica boa com bolo comum, bolo de chocolate ou bolo de paçoquinha mesmo, cuja receita segue abaixo.


1 xícara e meia de açúcar
6 paçoquinhas
2 xícaras de leite
3 colheres de margarina
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de fermento em pó
3 ovos.

Bata tudo no liquidificador e leve ao forno, em forma untada, por 30 a 40 minutos.

Veja mais receitas de bolo:

Bolo de milho verde
Bolo de milho verde de lata
Bolo de chocolate
Bolo Formigueiro
Bolo de cenoura
Bolo da fortuna
Bolo de café
Bolo delícia de coco

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Países Bálticos - Tallinn (Estônia)


Tallinn é uma cidade pequena, com atrações bem concentradas na cidade antiga, que ainda é cercada pela muralha medieval em muitas partes. As ruelas são um charme, com restaurantes, lojas de souvenirs e quiosques que vendem amêndoas confeitadas e vinho quente.


A cidade sofreu séculos de dominação. Numa trajetória tumultuada passou pelas mãos de dinamarqueses, teutônicos, suecos, russos, nazistas e soviéticos. Essa história conturbada só teve fim em 1991, quando a Estônia conseguiu sua independência da União Soviética. Desde então, o país vem recuperando sua economia e investindo no turismo.



Separada por apenas 2 horas e meia de ferry de Helsinque, recebe muitos visitantes num bate e volta a partir da capital finlandesa e tornou-se escala de navios de cruzeiro.


A paisagem da cidade alta é dominada pela fortaleza de Toompea, que atualmente abriga o Parlamento, e sua impressionante torre Pikk Hermann.




O interior ricamente adornado da catedral ortodoxa de Alexander Nevsky faz valer a visita, apesar do local ficar entupido de turistas. Muito próxima, mas com arquitetura e decoração completamente diferentes, fica a catedral luterana da Virgem Maria (Toomkirik), de 1219.


Nos terraços da cidade alta ficam as vistas mais bacanas, com as torres, os telhados e o mar.



Os dois caminhos mais famosos que ligam as cidades alta e baixa são as ruas da Perna Curta (Lühike Jalg) e da Perna Longa (Pikk Jalg). A primeira é uma grandes escadaria, que era usada pelos pedestres, e a última era a via usada pelos cavalos e charretes.


Na cidade baixa, o local mais movimentado é a praça do mercado. Com prédios coloridos, a prefeitura do século 14, vários restaurantes e lojas e uma farmácia que abriu as portas em 1422 e funciona até hoje - Raeapteek, é o coração da cidade e o espaço preferido para atividades culturais.



Não deixe de passear por suas ruas transversais, que guardam recantos surpreendentes. Vários edifícios históricos tem placas explicativas, o que torna o passeio ainda mais interessante.


Outro local de destaque é a charmosa Passagem de Santa Catarina, uma viela medieval com paredes de pedra e arcos. O Monastério de Santa Catarina é o mais antigo da cidade, fundado em 1246. No local pode-se visitar o Claustro Dominicano e visitar um pequeno museu.



A rua Viru é uma rua comercial que liga o centro moderno à cidade antiga. A entrada é ladeada por duas torres do muro cobertas por hera. Outra das entradas da cidade, desta vez no rumo do porto, é pela Torre da Margarete Gorda. O nome foi atribuído em razão de seu diâmetro, muito superior às demais torres da muralha. Sua função original era defender o porto e hoje abriga o Museu Marítimo Estoniano.


Fora do centro, mas a apenas três estações de tram, fica o Parque Kadriorg. Em meio a amplos jardins, fica o palácio desenhado pelo czar Pedro para sua esposa Catarina, onde funciona o Museu de Arte Kadriorg, com pinturas de artistas ocidentais e russos do século 16 ao 20.


A cozinha do Báltico é uma junção das culinárias escandinava, russa e alemã, com fartura de carnes, inclusive de caça, batatas e pescados. A cidade explora as características medievais com vários restaurantes "de época", ótimos para turistas - iluminação exclusiva de velas, funcionários vestidos a caráter e "cozinha medieval". Os mais famosos são Olde Hansa e III Drakkon, com cardápio limitado à sopa de alce e folhados. Os folhados, a propósito, são bem típicos e muito saborosos, Você pode experimentá-los em praticamente todos os cafés.


Outro restaurante que gostamos bastante é o Kuldse Notsu Korts. Nós pedimos as tradicionais sopas de beterraba e carne e de repolho e porco. De principal, joelho de porco e porco assado com molho cremoso de cebolas. Estava tudo muito bom! Também gostei do ambiente, amplo e confortável.


Veja aqui mais fotos da Estônia.