domingo, 28 de fevereiro de 2016

Bolo de milho verde

Hoje temos aqui uma receita deliciosa de bolo de milho, perfeito para acompanhar um cafezinho.

5 ovos
1 copo de leite
2 colheres de maisena
2 colheres de margarina
4 colheres de coco ralado
4 colheres de queijo ralado
1 colher de fermento
5 espigas de milho verde debulhado
2 xícaras (mal cheias) de açúcar
1 vidro pequeno de leite de coco

Bata todos os ingredientes no liquidificador e asse em tabuleiro untado.


Veja mais receitas de bolo:

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Linha Verde

Irmã pobre da Estrada do Coco (leia aqui), a Linha Verde é o trecho da BA-099 que liga a Praia do Forte à divisa com Sergipe.


A maioria dos povoados é humilde e sem atrativo para os turistas. O acesso às praias é ruim e elas não são muito boas para banho. O grande charme do local é encontrar praias selvagens, com trechos absolutamente desertos.


Imbassaí, provavelmente pela proximidade com a praia do Forte, tem até pousadas bonitinhas e um resort, mas a praia não vale muito a pena. A parte mais frequentada é o canto sul, onde o rio corre paralelo à praia e possibilita tanto o banho de água doce quanto de mar.


Seguindo para o norte, temos Diogo, Santo Antônio, Porto do Sauípe, Massarandupió, Subaúma, Baixio... Nada realmente interessante.
As águas são turvas e escuras (mais parecidas com as praias de Sergipe), com ondas fortes e sem arrebentação definida, e algumas tem pedras que ficam à mostra na maré baixa. Nem mesmo a construção do mega complexo hoteleiro da Costa do Sauípe conseguiu melhorar a praia. O local tem belas edificações e muitas opções de lazer, mas praia que é bom...


Em Conde, ficam as praias de Sítio do Conde, Poças, Siribinha, Barra do Itapicuru e Barra do Itariri, que é realmente muito bonita.


Já na divisa com Sergipe, está Mangue Seco. Cenário da novela "Tieta", baseada em obra de Jorge Amado, são muitos quilômetros de praias com dunas de areia branca, coqueiros e manguezais. O acesso é complicado, com estrada de terra e travessia de barco até o povoado e, depois, mais 1,5 km de areia até praia...


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Shimeji na manteiga

Que tal esta entradinha deliciosa, com cara de restaurante japonês?
Apesar do ar sofisticado, é muito rápida e simples de preparar.
De quebra, os cogumelos são ricos em proteínas e vitamina B-12 e têm pouquíssimas calorias. Perfeito não?


200g de shimeji
2 colheres de molho Shoyu
1 colher (chá) de açúcar
1 colher de manteiga
cebolinha picada a gosto

Separe os raminhos do shimeji e coloque em um escorredor. Lave com água corrente e deixe escorrer bem. Leve ao fogo uma panela com a manteiga e deixe derreter um pouco. Junte os cogumelos e cozinhe, misturando, até murchar um pouco. Depois de uns 5 minutos, quando já estiverem bem macios, junte o açúcar e o molho Shoyu. Cozinhe por mais uns 3 minutos, para o cogumelo absorver bem o molho. Polvilhe com a cebolinha picada e sirva.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Estrada do Coco - Praia do Forte, Guarajuba e Itacimirim

Recebe o nome de Estrada do Coco o trecho da rodovia BA-099 que vai do aeroporto de Salvador (que, na verdade, é no Município de Lauro de Freitas) até a Praia do Forte.


A praia mais famosa e badalada da região é a Praia do Forte. Muitos fatores parecem ter contribuído para este destaque: a vila foi a primeira da região a contar com um resort (ainda nos anos 80), abriga a principal base do Projeto Tamar e conta com uma rua de pedestres metida a Rua das Pedras. Mas acho que o segredo do sucesso mesmo foi o marketing do empresário paulistano que comprou a fazenda localizada na região e investiu para desenvolvê-la como pólo de ecoturismo.


A associação das águas mornas com a areia clara e os coqueirais é uma das razões de seu sucesso. Some-se a isso a charmosa igrejinha na beira do mar e as piscinas naturais, de fácil acesso, com muitos peixinhos coloridos.


A praia é bela, mas não é essa maravilha toda para banho. A maior parte da orla conta com recifes, o que limita muito as áreas de banho durante a maré baixa. A praia só é aberta em frente à vila e ao eco-resort. Na maré cheia, a coisa melhora um pouco mas é preciso ter cuidado para não dar uma topada nas pedras submersas.


A praia da vila é cheia de barcos e, como toda praia de centro, mais suja, cheia e tumultuada, especialmente nos finais de semana.


Para aproveitar melhor é preciso caminhar um pouco e se afastar do centrinho. E é aí que se descobre o encanto do lugar: os carros não chegam até a beira da praia e, portanto, não há ruas, estacionamentos ou prédios na beira do mar. Só coqueiros, amendoeiras e alguns condomínios e casas.


Saindo pela praia, à esquerda da vila (direção norte) ficam o Projeto Tamar e o farol e, na sequência, as praias da Pedra do Chapéu, do Lord, das Piscinas Naturais e Papa-Gente. Todo esse trecho tem piscinas naturais e vários pontos para aluguel de máscaras, snorkels e sapatilhas. A partir daí, alguns quilômetros de praias sem movimento até chegar ao hotel Iberostar.


No sentido sul, depois de um trecho de muitas pedras, chega-se à Praia do Portinho de Baixo, onde fica o eco-resort. É, sem dúvida, a melhor praia para banho, apesar de não ter muita infraestrutura. O destaque fica para o Point do Folha, com peixes e lagostas assados na brasa.


Além da praia, as atrações do lugar não são muitas. A principal é, claro, a base do Projeto Tamar, programa de preservação de tartarugas marinhas. As crianças (e os adultos também) enlouquecem com as tartarugas de vários tamanhos e espécies e com os outros animais marinhos.


Outro projeto de preservação da fauna marinha que tem sede na região é o Instituto Baleia Jubarte, dedicado a preservar a pequena população de baleias jubarte e outros cetáceos remanescentes nos mares brasileiros. O sul da Bahia é um importante local de observação de baleias jubarte e a temporada de avistagem vai de julho a outubro. A visita ao Centro de Visitantes esclarece sobre a biologia e a conservação do mamífero, em meio a réplicas em tamanho natural e o esqueleto real de um animal adulto.


As ruínas do Castelo Garcia d'Ávila são, talvez, o ponto turístico mais visitado fora da praia. Tombado pelo Iphan, o complexo arquitetônico engloba a Torre Garcia d'Ávila, a Casa da Torre e a Capela de Nossa Senhora.


Na Reserva de Sapiranga, trilhas em meio à quase extinta Mata Atlântica podem ser percorridas a pé ou a cavalo, de bicicleta ou de quadriciclo. Para refrescar, há os banhos no rio Pojuca ou na Lagoa Açu.
Sendo assim tão famosa, é claro que a Praia do Forte também é a mais cheia da região. Suas vizinhas, porém, não ficam devendo nos quesitos beleza e preservação.

Em Arembepe há outra base do Projeto Tamar, mas o que deu fama ao lugar foi a criação, no final dos anos 60, da primeira aldeia hippie do país. As praias são com dunas e coqueiros, alguns trechos tem recifes (como a praia da vila e Piruí) e outros tem ondas fortes. Também tem ondas fortes as praias de Jauá e Barra do Jacuípe, que agrada em cheio quem gosta de dividir o banho entre o mar e o rio.


Guarajuba foi outra que ganhou projeção nacional com a construção de um resort - o Vila Galé. Pena que ele fique na pior parte da praia, com mar mais agitado...
O trecho mais legal é o que fica mais perto da vila, super tranquilo e com uma área onde se formam lindas piscinas naturais. O local está muito bem cuidado, cheio de condomínios...


Itacimirim é menos famosa, mas é uma bela praia de águas calmas. Gosto muito da parte conhecida como Praia da Espera, que foi o ponto de chegada de Amir Klink em 1984, quando cruzou o Atlântico num barco a remo.


Sugestões de hospedagem:

Praia do Forte:

Ecoresort Praia do Forte - Indiscutivelmente o melhor lugar para ficar com crianças pequenas.
Pousada Farol das Tartarugas - Perfeita para quem não curte hotéis grandes e prefere pousadas pé na areia (eu!).
Pousada Porto da Lua - Mais barata do que a Farol das Tartarugas e boa também. As duas são as únicas que ficam em frente ao mar.
Pousada Ana do Forte - Para quem está com o orçamento mais apertado. Limpíssima e muito organizada, não fica na beira da praia mas é muito bem localizada.

Guarajuba:

Condomínio Paraíso dos Corais - Bons apartamentos no melhor trecho da praia.

Para comer?

Praia do Forte:

Papa Gente - Comida baiana saborosa, farta e sem exagero no dendê. Ótimo bobó de camarão.



Obá Moquecaria


Point da Lu - Restaurante muito simples mas que tem uma moqueca de aipim com camarão especial.


Sabor da Vila - Excelente, tem outros pratos de frutos do mar quando der vontade de fugir das moquecas e acarajés. Recomendo o camarão gratinado com brócolis aos 3 queijos.


Casa da Nati


Il Cantuccio - Ótimo local para variar dos pratos tradicionais da cozinha baiana. Destaque para as massas com camarão e queijo brie e com camarão e abobrinha.


Point do Folha - Na sombra das amendoeiras da Praia do Portinho, ao lado da náutica do ecoresort, o Folha assa na brasa peixes, lagostas e polvos que acabou de tirar do mar. Serve com banana-da-terra, em mesinhas feitas com pranchas de surf. Uma delícia!


Casa de Farinha - Neste projeto social mantido pela prefeitura é feito rodízio semanal entre as comunidades da região, Tem as melhores tapiocas e, às vezes, outras coisas gostosas como a cocada de leite.
Quanta Paleta - Tem sabores bem interessantes, como o de banana com nutela.

Itacimirim:

Le Poretton - Melhor barraca da Praia da Espera, serve petiscos e refeições. Gostei muito do escondidinho.


Na frente da barraca, algumas baianas armam seus tabuleiros e fritam acarajés.


Guarajuba:

Bar do Carlinhos - No melhor trecho da Praia de Guarajuba e bem organizado, tem ótima comida. O peixe vermelho frito e o ensopado de polvo são meus pratos favoritos.


Ao lado do restaurante, há uma pastelaria ótima, com pastel de todos os frutos do mar imagináveis.

Veja aqui mais fotos das praias da Estrada do Coco.
Leia sobre a continuação da BA-099, conhecida como Linha Verde.