sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Cuscuz de milho

Aqui em casa todo mundo gosta do cuscuz de milho nordestino, bem molhadinho e fofo.
Diferente do cuscuz paulista, que leva um monte de ingredientes, este é bem simples.


Ingredientes:
2 xícaras de flocão de milho
1 xícara de água em temperatura ambiente (pode ser um pouco mais ou menos)
1 colher de chá de sal 
3 colheres de queijo ralado

Misture o flocão com o sal e a água de forma que fique como uma farofa molhada. Deixe descansar por 20 a 30 minutos. Acrescente o queijo ralado e leve ao fogo em uma cuscuzeira com água no fundo. Cozinha muito rápido, uns 10 minutos.

Para o cuscuz não ficar pesado, são dois os segredos:
- molhar a massa com antecedência, sem exagerar na água
- colocar o cuscuz na cuscuzeira aos poucos e sem apertar

Como comer?
O mais simples é só com manteiguinha derretida em cima. Bom demais!
Um ovinho frito para acompanhar é a perfeição.
Perfeição 1 porque perfeição 2 é com queijo coalho na chapa.
Também é servido com carne de sol, carne seca, banana frita...

Variações:
- Dá para fazer recheado também. Já vi com queijo e presunto, só queijo, banana da terra e carne. É só colocar a metade da massa na cuscuzeira, uma camada do recheio e cobrir com o restante da massa.
- Na hora que apagar o fogo, regar com leite de coco puro ou adoçado e deixar descansar uns 5 minutos antes de servir.
- Pode ser "de doce", é só tirar o sal e colocar açúcar a gosto. Neste caso é imprescindível regá-lo depois de pronto com uma mistura de leite, leite de coco e um pouquinho de manteiga, levada ao fogo só para derreter a manteiga. Neste caso também fica bom misturar coco ralado na massa.

Muitas opções não é mesmo? Todas são muito boas, mas ainda prefiro o "de sal"...

Outras ideias para lanche:
Brioche


quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Escandinávia: Noruega

Vindos da Noruega pela DFDS Seaways, acordamos já no Fiorde de Oslo e foi com esta paisagem que tomamos o café da manhã.


Logo ali próximo ao Porto, fica o prédio da ópera, que achei o mais lindo da cidade.


Oslo é uma cidade com alguns bons museus que enfocam a história sob o ponto de vista das viagens marítimas. Na Península de Bygdoy ficam o Museu Kon-Tiki, o Museu Fram, com o navio utilizado em expedições polares, o Museu dos Barcos Vikings e o Museu Marítimo. Lá próximo pode-se visitar também o Kolkemuseum, com mais de 150 construções trazidas das diversas regiões do pais.


No campo das artes, o destaque é a Galeria Nacional. Além da famosa obra "O Grito", apresenta outros quadros de Edvard Munch. Para quem tiver tempo e interesse em ver mais obras de Munch, vale visitar o seu próprio museu, que fica um pouco mais distante do centro.
Atração muito visitada, o Parque Frogner propicia um agradável passeio entre as esculturas de Vigeland, que é também o autor dos vitrais da catedral.


Para complementar o tour, uma volta pelo centro passando pelo Parlamento,  a Universidade, o Teatro Nacional, o Palácio Real e a Fortaleza de Akershus. Também é inevitável dar uma passadinha pela rua de pedestres Karl Johans Gate e pela Prefeitura, onde é entregue, anualmente, o Prêmio Nobel da Paz. As outras categorias do Prêmio Nobel são entregues em Estocolmo, na Suécia.
Para um fim de tarde legal e um bom jantar a pedida é Aker Brygge, na beira da baía de Pipervika.


O caminho entre Oslo e Bergen passa por cascatas e estações de esqui, como Fla, Gol e Geilo, e cruza o Parque Nacional de Hardangervidda, mas a parte mais bonita da viagem é o trecho que começa no Fiorde de Eid e segue acompanhado o Fiorde de Hardanger.


A cidade de Bergen está rodeada de montanhas mas as principais atrações não ficam longe do porto. A mais fotogênica, sem dúvida, é Bryggen.


Este bairro de casinhas medievais de madeira, também conhecido como bairro hanseático, está repleto de lojas de artesanato e souvenirs. Para conhecer um pouco da história da cidade e entender sua importância como entreposto comercial da poderosa Liga Hanseática Germânica, vale visitar o Bryggens Museum.
Continuando até o final do porto, fica o que restou do antigo castelo e da torre Rosenkrantz.


O Mercado do Porto é o lugar para conhecer de perto a fauna marinha comestível da Noruega e ótimo para almoçar, especialmente se der sorte de pegar um solzinho. Em Bergen, a média de chuva é de 300 dias no ano...


Passamos o 17 de maio em Bergen, Neste dia, que é a data nacional norueguesa. a maioria das pessoas veste o traje típico (bunad) e participa ou assiste os desfiles que acontecem em todas as cidades.


Para quem gosta, o Aquário de Bergen tem tanques com peixes e invertebrados do Mar do Norte e piscinas com focas e pinguins.
Para uma vista bacana da cidade e do porto, o ideal é subir no Floibanen, um funicular que leva ao alto do Monte Floyen.


Ao norte de Bergen fica o Fiorde dos Sonhos, que é o maior e mais famoso. De Gudvangen partem barcos que atravessam os fiordes Aurlands e Naeroy, integrantes do Sognefjord e vão até Flam, pequena vila de onde parte o trem para Myrdal.


A pequena Balestrand fica na beira do fiorde e funciona bem como base para visitar outras atrações da região.


O Glaciar de Jostedal é o mais extenso da Europa Continental. Um de seus braços - o Bøyabreen - pode ser facilmente avistado próximo a Fjaerland.


Imperdível é a visita a Borgund Stavkirke, uma das principais igrejas de madeira construídas na Era Viking, com a mesma tecnologia que era usada para a construção dos barcos.


As igrejas de madeira, que recebem o nome de stavkirkes em razão dos tipos de pilares usados na construção, são uma parte especialmente valiosa do patrimônio arquitetônico da Noruega.



Indicações:
Restaurante FG, em Bergen - Ótimos pratos de frutos do mar. Destaque para a sopa de mariscos.
Hotel Kvikne - Na beirinha do Fiorde dos Sonhos (Sognefjord).


Cafeteria Brevasshytta - Com vista para o glaciar de Broyabreen, tem um bolinho de maçã com creme de baunilha bom demais.


Veja aqui mais fotos da Noruega.

Leia mais sobre a Escandinávia:

domingo, 16 de agosto de 2015

Manjar de maria-mole

Receita deliciosa e bem fácil de fazer. Para os mais tradicionais, a calda de ameixa. Para inovar, a calda de manga e maracujá é uma delícia. Aqui em casa, sempre faço com caldas alternativas porque um dos meus não gosta de ameixa seca...



1 lata de creme de leite
1 lata de leite condensado
1 vidro pequeno de leite de coco
1 xícara de água fercente
1 pacote de pó para maria-mole

Dissolva o pó da maria-mole na água fervente. Coloque todos os ingredientes no liquidificador e bata bem. Coloque em forma de buraco untada com óleo e leve à geladeira por no mínimo seis horas. Desenforme e acrescente a calda.

Calda de ameixas

250 g de ameixas pretas
1 xícara de açúcar
1 xícara de água

Leve ao fogo e deixe cozinhar até as ameixas ficarem macias e a calda ficar grossa.
* Dá para fazer do mesmo jeito substituindo as ameixas por morangos ou frutas vermelhas :)

Calda de manga e maracujá

1 manga Haden
200 g de açúcar
300 ml de suco de maracujá
1 colher de gengibre fresco (ralar e espremer, utilizar só o suco

Corte a manga em cubinhos. Leve o açúcar ao fogo até virar caramelo, tomando cuidado para não queimar. Junte o suco de maracujá e espere o caramelo dissolver. Junte a manga e deixe cozinhar por cinco minutos ou até amolecer um pouco. Deixe esfriar e junte o suco de gengibre.