quinta-feira, 30 de maio de 2013

Espaguete a Matriciana

Essa história de viagem à Itália no projeto "Cultura sem Limites" me deu uma vontade enorme de comer Spaghetti alla Matriciana.
A vontade era de comer no Tempio di Mecenate, em Roma.
Mas como estava em Brasília, resolvi fazer eu mesma. E ficou bom!
Olha a carinha...


E agora a receita:

- 1 pacote de espaguete (eu gosto do Barilla)
- 100g de bacon picado em cubos
- 2 cebolas cortadas miudinho
- 3 dentes de alho picados
- 1 ramo de manjericão
- 1 quilo de tomate picado
- sal e pimenta do reino a gosto
- queijo pecorino ralado grosso

Refogue o bacon na própria gordura até ficar dourado, junte a cebola e o alho e mexa até a cebola ficar transparente. Junte o tomate e o manjericão e continue refogando. Tempere com sal e pimenta e deixe cozinhar. Eu não gosto que fique cozido demais, prefiro que fique "pedaçudo". Cozinhe a massa em água e sal até ficar al dente, misture com a metade do molho e o queijo ralado. Disponha na travessa e cubra com o restante do molho. Sirva imediatamente.


Receitinhas de massas?

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Maio

Em 2011, eu já tinha comentado aqui que maio é um mês delicioso em Brasília. Clima agradável, seca ainda sem dar seus sinais, bela luz.
Daí em julho, escrevi sobre a explosão de flores que deslumbra a cidade em pleno inverno...

Este ano me dei conta que a florada já começou em fevereiro, com as lindas quaresmeiras. Que beleza aquela profusão de flores brancas, lilases e roxas. Conversando com a Gabi, ela me indicou um post muito educativo no site da Apremavi.


Em abril, as grandes estrelas foram as paineiras. Floresceram lindas e tingiram a cidade de cor de rosa. Um espetáculo!


E não só as flores são lindas.  Quando os frutos estouram deixam à mostra a paina, fibra que dá nome à árvore. É uma imagem totalmente diferente da floração, mas igualmente bela. O tronco espinhoso é forte e cheio de vida. Com frequência, alarga-se na base, formando "barrigas". Daí a árvore ser conhecida também pelo nome de barriguda. Poético, não? Mais ainda se ouvirmos Xangai em Matança: "... descansar, morrer de sono, na sombra da barriguda...".


E ainda vem gente dizer que Brasília não tem árvores, não tem verde?
Papo furado. Brasília tem verde sim, em boa parte do ano. E mesmo quando a vegetação está seca, as flores explodem em muitas cores.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Brigadeiro de café


Eu estou viciadona nos cupcakes de café da Vincent, né?
O problema é que, às vezes, me dá uma vontade louca de comê-los mas eles sumiram... E aí?


Preciso de arrumar urgentemente um jeito de satisfazer minhas mais complexas aspirações..
Comecei pela cobertura, que era mais rápida.
Desisti do bolo tão logo ela ficou pronta.
Delicioso brigadeiro de café, que comi às colheradas.

Fiz assim:
Misturei 1 lata de leite condensado, 1 xícara de expresso intenso (Nescafé Dolce Gusto), 2 colheres de chocolate em pó, 1 colherinha de canela em pó e 1 colher de chá de margarina numa panelinha e levei ao fogo, mexendo, até desgrudar  do fundo da panela. Super básico, né?
Servi polvilhado com canela em pó, que eu amo. Experimentei colocar numa compoteira e também em  xicrinhas de café. Como ficou mais bonito?


O bolo, lógico, ficou para outro dia. Não sei quando...
Aqui está o bolo, que só foi feito três anos depois.

E adivinha o que descobri ontem? Que minha amiga Meiry Cury Rad faz brigadeiros de café com chocolate belga. Entre inúmeras outras delícias... Se for delicioso como o brigadeiro de crème brûlée, estou perdida...

A Meiry Cury, para quem não sabe, é uma moça magrinha, companheira de francês e de pilates, que tem mãos de fada para preparar delícias. Prometo uma postagem sobre ela logo, logo. Por enquanto, vão ficando com água na boca..

Veja outras sobremesas: