sábado, 29 de abril de 2017

Escondidinho de aipim com carne de sol

Escondidinho é meio que um prato de preguiçoso, né? Com carboidrato e proteína juntos fica faltando só uma salada para completar. Mas não é só isso: escondidinho também é muuuito gostoso e dá para variar bastante o recheio (frango, linguiça, charque, camarão, carne moída...) e até a massa (batata, mandioca, batata-baroa, abóbora...).
Dessa vez, vou passar a receita do tradicional escondidinho de aipim com carne de sol. 


meio quilo de carne de sol
1 kg de aipim
1 fio de óleo
1 cebola grande cortada em rodelas
leite para deixar a carne de molho
2 colheres de margarina
meia xícara de leite
meio vidro de leite de coco
sal a gosto
queijo ralado grosso (se for queijo coalho fica com mais cara do nordeste, se for queijo minas fica mais magro)

Deixe a carne de sol de molho no leite da noite para o dia. Isso vai amolecer a carne e tirar o sal. No dia seguinte, coloque a carne na panela de pressão com um pouquinho de água e deixe cozinhar por uns 15 minutos depois que pegar pressão. Deixe esfriar e corte a carne em tiras finas, como para estrogonofe, 
Numa frigideira, coloque um fio de óleo e coloque a carne para dourar. Quando estiver quase boa, coloque a cebola fatiada e deixe amolecer. Se necessário, pingue mais um pouquinho de óleo. Reserve.
Cozinhe o aipim com sal na panela de pressão até ficar bem macio. Retire os fiapos e amasse bem. Numa panela, derreta a margarina e junte o aipim amassado, mexendo bem. Junte o leite de coco e a meia xícara de leite e misture até o purê ficar homogêneo. Se estiver muito consistente, adicione mais leite. Verifique o sal e corrija, se necessário. 
Em uma forma refratária, coloque a metade do purê de aipim. Por cima, disponha a carne refogada com a cebola. Cubra com a outra metade do purê e polvilhe com bastante queijo ralado. Leve ao forno médio até dourar.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Batata sauté

Acompanhamento super tradicional para assados e grelhados, as batatas salteadas (sauté, em francês) são muito simples de preparar e, pela textura crocante por fora e macia por dentro, costumam agradar a todos os paladares. Quem não aprecia o sabor da manteiga, pode fazer só com azeite. Também fica muito bom.


500 g de batatas
2 colheres de azeite
1 colher de manteiga (eu uso ghee porque é sem lactose)
3 colheres de cheiro verde (salsa e cebolinha) picado
sal e pimenta do reino a gosto

Cozinhe as batatas com casca, em água fervente com sal. Verifique para que não cozinhem demais, devem ficar bem firmes. Escorra e espere esfriar um pouco. Descasque e corte em fatias de 1 cm, aproximadamente. Se preferir, pode cortar em cubos também. 
Em uma panela ou frigideira grande, aqueça o azeite e a manteiga. Quando derreter, coloque as batatas e deixe dourar bem em fogo alto. Não fique mexendo, para podere formar a casquinha crocante. Tempere com o sal e a pimenta. Desligue o fogo e misture o cheiro verde. Sirva imediatamente.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Panna cotta com calda de morango


A panna cotta é uma das mais famosas e deliciosas sobremesas italianas e a minha preferida. Traduzida como "creme cozido", é preparada com creme de leite fresco, leite, açúcar, gelatina e baunilha. Apesar da simplicidade dos ingredientes e do preparo, não é tão fácil achar uma boa panna cotta por aqui, como acontece também com o tiramisù. Essas imitações ruins estragam completamente a fama da iguaria.
Tradicionalmente é consumida com calda de frutas ou frutas frescas, mas há uma infinidade de variações para as caldas, como chocolate, caramelo, café...
Vou passar uma receita que funcionou super bem e que não tem grandes mistérios. O maior cuidado é com o ponto, para não ficar firme demais. O correto é a panna cotta balançar, ela tem que quase não segurar o seu formato. Com as medidas abaixo, vai ficar certinho.


500 ml de creme de leite fresco
meia xícara de leite
1 colher de gelatina em pó sem sabor
2 colheres de água
5 colheres de açúcar
1 fava de baunilha ou meia colherinha de essência de baunilha

Em uma tigela pequena, coloque a água e polvilhe a gelatina por cima, misturando bem. Deixe amolecer por uns 5 minutos.
Corte a fava de baunilha ao meio e raspe seu conteúdo. Em uma panela, junte o leite, o creme de leite, o açúcar, a fava cortada e a parte raspada. Aqueça sem deixar ferver, até o açúcar diluir completamente. Retire do fogo e adicione a gelatina amolecida. Se estiver usando essência de baunilha, espere o líquido esfriar completamente para adicioná-la.
Disponha a mistura em forminhas individuais de pudim (unte levemente com óleo para ficar mais fácil de desenformar) e leve à geladeira por, no mínimo, 6 horas. Se o tempo de geladeira passar de 24 horas, pode ser que a panna cotta fique um pouco mais firme.

Para a calda:

200 g de morangos
50 g de açúcar
1 colher de vinho do Porto

Em uma panela, junte todos os ingredientes, mexendo sempre, até formar uma calda ligeiramente grossa. Si ficar muito rala, junte um Passe-a por uma peneira e deixe esfriar. Se desejar uma calda mais rústica, não coe (eu prefiro assim). Você também pode fazer a calda com uma mistura de frutas vermelhas (morango, amora, framboesa, mirtilo) ou com cada uma delas, isoladamente.

Cerca de 10 minutos antes de servir, solte a panna cotta do molde com uma faca de ponta redonda e vire no prato de servir. Se não desenformar, coloque um pouco de água quente em uma tigela maior e molhe o molde rapidamente, para derreter um pouquinho o fundo, e tente desenformar outra vez. Depois de desenformada, regue com a calda e sirva.

A panna cotta também pode ser servida sem desenformar, em potes de sobremesa, copos de vidro, taças ou vidrinhos de compota. Se for assim, coloque a calda já fria depois que a panna cotta estiver completamente firme. 



terça-feira, 11 de abril de 2017

Contrafilé recheado

O contrafilé recheado é um prato que faz bonito e que é muito fácil de preparar. O mais difícil é abrir a carne, mas, se você não tem habilidade nenhuma, pode pedir que açougueiro faça e já trazê-la para casa "no ponto".

Veja como é simples:
Preaqueça o forno em temperatura alta.
Com uma faca muito afiada, abra a peça de contrafilé no sentido do comprimento, formando um bife grande. Esse processo se chama cortar em manta e há vários tutoriais, no youtube, ensinando a fazer. 
Tempere com sal e pimenta-do-reino a gosto.
Em seguida, disponha o recheio por cima. Você pode usar o recheio que quiser. Eu gosto de fazer com mussarela e presunto ou com queijo provolone e espinafre (amoleça as folhas no vapor antes de usar), mas aí entra sua criatividade... Pode usar queijos variados, ovos, azeitonas, bacon, calabresa, cenoura cozida, tomate seco, pimentão, frutas frescas ou secas, milho verde, castanhas etc.
Enrole como um rocambole e amarre bem apertado com um barbante, fechando bem as extremidades. 
Transfira para uma assadeira, cubra com papel alumínio e leve ao forno médio alto (200º), até ficar macio. Retire o papel alumínio e deixe em forno alto (250º) até corar. Tire do forno e aguarde uns 10 minutos para cortar.

Recheio de queijo provolone e espinafre
Recheio de mussarela, presunto e azeitona, decorado com frutas para o Natal

Mais receitas com carne bovina:

Acém, com linguiça, tomate e cebola roxa
Contrafilé ao forno com batatas 
Filé com nhoque ao molho de funghi
Estrogonofe simplificado
Tagliata
Bolo de carne com legumes
Quibe assado recheado
Picadinho carioca 
Filé com crosta de pimentas