segunda-feira, 27 de junho de 2011

Músicas de São João de antigamente

Que legal!
Falando das festas juninas de quando eu era criança e achei um programa junino na rádio nacional.
Algumas dessas músicas são as que a gente dançava quadrilha naquele tempo.

Na altura dos 18 minutos tem uma seleção:
"O baile lá na roça foi até o sol raiar
a casa estava cheia, mal se podia andar
Estava tão gostoso aquele reboliço
mas é que o sanfoneiro só tocava isso...
................................................
Pula a fogueira iaiá
Pula a fogueira ioiô
Cuidado para não se queimar
Olha que a fogueira já queimou o meu amor...
.................................................
Eu pedi numa oração ao querido São João
que me desse um matrimônio
São João disse que não
São João disse que não
Isso é lá com Santo Antônio...
...............................................
Capelinha de Melão é de São João
É de cravo, é de rosa, é de manjericão
São João está dormindo
Não acorda não
Acordai, acordai, acordai, João!

Na altura 23:20, é explicada a tradição da fogueira. Muito legal a explicação sobre a conversão da tradição pagã da fogueira do solstício de verão na fogueira da festa de São João Batista...

Em 32:32, antes da interpretação dos Doces Bárbaros para "São João Xangô Menino",  uma pequena resenha sobre o sincretismo entre São João e Xangô.

Em 38 minutos, a linda canção maranhense "Boi da Lua" com interpretação de Papete.

Tá muito lindo!!!

Agora só falta uma foto daquelas festas.
Vou encarregar minha mãe desta missão.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Festa de São João


Quando eu era menina, sempre tinha festa junina na minha rua.
Era um evento, com o quarteirão todo enfeitado de bandeirinhas (que nós, crianças, ficávamos dias colando em longos fios) e cheio de barracas, com comidas e brincadeiras.
Das comidas, não me lembro muito. Lembro bastante da pescaria e do coelho na toca (que, se não me engano, era um porquinho da índia).
Mas o bom mesmo era a quadrilha!

Nós ensaiávamos semanas a fio, de noite.
E vendíamos “votos” para rainha da quadrilha.
Acho que uma única vez não fui a rainha. E não gostei.
A grande vantagem da rainha era ser a primeira na fila, e puxar a quadrilha.
Eu adorava!!! A dança, as cantigas, a fantasia.

Outro ponto alto da festa, era o balão.
Sempre imenso, colorido. E tinha aquele suspense para ver se ia subir ou queimar ainda no chão, queimar na subida ou sumir de vista, iluminado!

Guerrilha sem face

Mais um filme muito bom.
Mais uma vez com Javier Bardem.
Parece que estou na fase "Javier Bardem", né?
E estou adorando!

O filme Guerrilha sem face é dirigido por John Malkovich e conta a história da perseguição e captura do líder do Sendero Luminoso, Abimael Guzmán, que viveu 12 anos na clandestinidade.

The Dancer Upstairs Poster Movie 11 x 17 In - 28cm x 44cm Javier Bardem Juan Diego Botto Laura Morante Elvira Mínguez Alexandra Lencastre

Leia o que diz o Museu do Cinema

terça-feira, 14 de junho de 2011

Ipê Roxo


Fiquei intrigada com a diferença entre ipê roxo e ipê rosa e fiz uma pesquisa na internet.
Descobri que são várias espécies. De flores amarelas, tinha bem uns 7 tipos. E mais o branco, o rosa e o roxo.
Parece que não sou só eu que faço confusão. 
Ninguém tirou minha dúvida de maneira satisfatória.
A melhor explicação dizia que é fácil diferir um do outro. O ipê-roxo perde todas as folhas para florir e o ipê-rosa mantém a folhagem durante o período de floração.
Não fez tanta diferença assim.

O importante é que a cidade está cheia deles, cada um mais lindo que o outro.
O Correio Braziliense fez até uma enquete para escolher o mais belo do DF.
O vencedor fica perto da Ponte do Bragueto, no final da Asa Norte.
Ipês roxos de Brasília (Galeria de fotos do Correio)


segunda-feira, 13 de junho de 2011

Vermelho como o céu

Rojo como el cielo

Saga de um garoto cego durante os anos 1970, que luta contra tudo e todos para alcançar seus sonhos e sua liberdade. Mirco é um jovem toscano de dez anos apaixonado pelo cinema, que perde a visão após um acidente. Uma vez que a escola pública não o aceitou como uma criança normal, é enviado para um instituto de deficientes em Gênova. Lá, descobre um velho gravador e passa a criar histórias sonoras. Baseado na história real de Mirco Mencacci, um renomado editor de som da indústria cinematográfica italiana.
Lindo filme!